8 de out de 2012

Dádila Rodrigues - Um Treino Completo para Cadeirantes - Segurança e Técnica com quem Entende


Depois de procurar muito sobre o assunto que vou abordar hoje e não achar nada palpável, sentir que faz muita falta ter um Artigo que possa ajudar quem está a procura de "dar a volta por cima"e, recomeçar a escrever e ilustrar sua vida com palavras que possam parecer brutas, mas que no fundo de nossa alma nos acalenta e colore nossas vidas.
Estou falando da falta de literatura sobre Esportes de Força para aqueles que sofreram um acidente ou porque nasceram com alguma deficiência física. Isso até parece brincadeira,
vendo que nos últimos anos nossos Para-atletas estão se destacando muito mais que atletas que contam com todos os membros e  movimentos do corpo (ou que não tenham nenhuma limitação se preferirem dizer assim). Sem contar que eles têm apoio tanto de estrutura como financeiro, muito maior que os para-atletas que são pura SUPERAÇÃO.

Só que apesar da minha vontade de fazer algo que que seja um divisor de águas ou que pelo menos faça a diferença e ajude aqueles que não tem um profissional especializado, e nesse caso não é brincadeira, pois até um treinador bom de musculação se não tiver familiarizado com as necessidades desses amigos que na sua maioria são cadeirantes, poderá ao invés de ajudar acabar causando algum malefício.

Então pensando nisso eu fui direto conversar com uma grande amiga do Blog Força Total, a Atleta Dádila Rodrigues. Ela não só prontamente aceitou, como também já esquematizou tudo para que essas dicas de Treinos fossem todas passadas com material visual (FOTOS) para não deixar dúvidas. Dádila que é cadeirante e tem toda vivência para transmitir esses conhecimentos e evitar um começo tumultuado. 

Antes de tudo vou fazer algumas perguntas para nossa Querida Amiga e Atleta Dádila Rodrigues:

FT- Dádila quando decidiu que iria partir para os Esportes de Peso, quais foram as principais dificuldades para começar a Treinar? E quais as dicas para que nossos Leitores que se encontram na mesma situação não passem por esses problemas?  
Dádila - Após meu acidente tudo se tornou novo para mim, assim como quando somos Crianças que se aprende a falar, andar... Eu diariamente tenho esse desafio de sempre aprender tudo novamente e me adaptar, NÃO É FÁCIL, quando comecei a treinar não foi diferente. Cheguei na academia para matrícula e o responsável já aflito por ser uma cadeirante que iria treinar, mas não era só ele que estava aflito, eu também estava e não sabia como faria, tinha baixo equilíbrio, flacidez abdominal, além do responsável da academia não saber como me passar os exercícios, evitou de passar vários com medo, sempre caia do banco, do aparelho e até mesmo da cadeira por falta de suporte e conhecimento. "Risos e palavras" para que eu deixasse de treinar, "porque assim eu iria me machucar" eram constantes. O fato de não ter a mobilidade das pernas sempre aguçou outros sentidos e um deles foi a observação, comecei a olhar como todos treinavam e em casa numa mini-academia caseira que comprei, reproduzia as séries até achar um jeito mais confortável e que desse resultado para mim. Funcionou muito bem, comecei a estudar sobre o assunto, onde o Força Total me ajudou muito com dicas de treino no qual fui moldando para minha forma de execução. A Força e Dedicação que tive foi um dos pilares que me agarrei para não desistir e achar uma forma de treinar sem me machucar ou agravar minha lesão. O responsável da academia onde treino foi fundamental pois ele esteve ao meu lado a cada momento aprendendo também e ajudando para a adaptação desse certo. Hoje chego na academia ele nem liga mais para mim, me ajuda apenas no Supino Reto, o resto ele deixa eu me virar, pois antes era 1 hora de treino e ele sempre comigo o tempo todo nem dava aula nesse horário, com medo de me largar sozinha. 



FT - A primeira coisa que me veio em mente quando me propus a fazer esse Post foi a SEGURANÇA. Eu quero que faça uma lista ou cite todas as precauções e cuidados que um Cadeirante tem que ter para começar seus Treinos.
Dádila - Claro, a segurança é fundamental, primeiro que já temos alguma restrição seja qual for a sequela congênita ou adquirida vale sempre lembrar que nós é quem devemos repassar ao técnico ou instrutor qual a nossa dificuldade e trabalharmos juntos para a solução, as pessoas não vão adivinhar suas necessidades. Devemos conhecer nossas sequelas e pontos fracos, passar pela ortopedista que nos acompanha e juntos analisar e pegar um laudo para a liberação da prática de musculação, colocar prioridades tipo, vou treinar para melhorar minha qualidade de vida e seguindo com o objetivo do treinamento. Pois, não basta colocarmos o objetivo do treino que é aumentar a força para competir se não estou me preocupando com minha estrutura física e o meu bem estar. Procurar a melhor forma de execução, isso cada um é responsável, pois só nós sabemos o que nosso corpo diz. Saber ouvir as dicas e movimentá-las em si. Eu aprendi da pior forma o jeito de treinar, (mandava eu fazia) sem ouvir minhas necessidades, adquiri lesões no ombro e punho, pois eu queria pegar Força e não pensei que teria outros fatores antes de conseguir a tão sonhada Força, tive que aprender com a dor diária ainda mais que uso meus braços 100% para tudo, andar, comer, trabalhar e treinar... é deles que tenho que tomar conta, comecei a ouvi-los e aprender como treinar "O que aliviava as DORES e o que fazia piorar o quadro", ia sempre trocando séries até encontrar a minha forma de fazer, pois antes da força no levantamento aprendi que tenho que ter Resistência Muscular para suportar a carga na barra e conseguir minha meta. 


FT - Dádila, uma última pergunta para começarmos os Treinos. Sei que você começou a treinar para no Futuro também participar de campeonatos de Fisiculturismo, e você já compete no halterofilismo. Fale um pouco dessa decisão. E como uma pessoa que não consegue fazer treinos Aeróbios consegue definir seu corpo?
Dádila - Sim, já estou treinando também para participar do Fisiculturismo em 2013, os treinos são basicamente os mesmos. Como bem dito pela Marilia Coutinho a musculação para ambos não tem muita diferença e por ser Halterofilista tendo treinos intenso diários não vou ter muito o efeito sanfona e nos treinos não vou restringir força para apenas ganho de massa, estarei lado a lado com ambos. Nem sempre os treinos aeróbicos são o fator chave para definição, a disciplina com a alimentação é o ponto, digo pois faço sempre exames para acompanhar e manter sempre o controle da minha % de gordura corporal, então consigo o controle apenas com dieta e treino. Mas, não posso dizer que não faço aeróbico, não fico quieta um minuto, sempre prendo minhas pernas na cadeira e vou correr junto com a turma de idosos próximo a minha casa, 3 vezes por semana, sempre que saio da academia não pego ônibus para ir embora, sempre vou no braço uns 8 quarteirões. Sempre trabalhando o abdomen e respiração a cada braçada na roda da cadeira.
Acreditar que é possível sempre é possível, meu professor, amigo e irmão, Gilson Silva de São Paulo sempre acreditou em mim, desde o primeiro contato via Facebook quando me interessei pelo fisiculturismo e nunca me deixou desistir do Halterofilismo, ele sempre está me orientando que sim, é possível as duas modalidades. Apesar da distância ele está sempre presente em minhas dúvidas, modifica sempre meus treinos e acredita muito no meu potencial. Ter pessoas assim ao nosso lado torna cada vez mais palpável a possibilidade de realizar sonhos. Como diz minha amiga Shirley Rizzi, sou baixinha guerreira e a dificuldade não é empecilho para mim. Sei que vou chegar onde quero pois apenas bastar eu querer... É isso que quero!!! 2013 me aguarde nos palcos, e se Deus quiser 2016 nas Paraolimpiadas no Rio de Janeiro no Halterofilismo.    


Treinos: 


Segunda Feira – Peito-Tríceps-Abdomen
  • Descanso:45 segundos
  • A cada série aumentar a Carga.
  • Pedir para o Monitor da Academia ou seu treinador te acompanhar no Exercício, pois no caso de uma Falha Muscular não vai correr perigo.
  • Medida de segurança para que tem perda de sensibilidade e força nas pernas usar cinto para prender quadril ou pernas ao banco de supino - Evita quedas com a barra e ajuda no equilíbrio e concentração na execução do movimento.


Supino Reto 3 Séries de 12 repetições

Fazendo ponte para elevar o peito, movimento menor no Halterofilismo e maior estabilidade.





Adução de escápula e marcação de pegada barra.



Barra sacada, estabilizada. Início do movimento.


Descida da barra na linha do peitoral, 
2 segundos e sobe a barra.

Retorna a barra em posição inicial.

Olha a ajuda aí!!!




Peito-Supino Inclinado com Halter 
3 Séries de 12 Repetições. 
Início : estabilizo os halteres sobre a linha da cintura, 
só depois dar inicio ao movimento.
Posição inicial.




Crucifixo-4 Séries de 12/12/10/8 Repetições




Peck Deck - 4 Séries 12/12/10/8




Triceps Polia – 3 Séries 12 Repetições

Usando o cinto para prender as pernas na cadeira, evita espasmos, ajudando o equilíbrio, domínio de força e concentração para execução bem feita.



Estabilizado, inicia o movimento.



Tríceps na Polia pegada invertida
 3 Séries de 12 Repetições




Tríceps Coice – 3 Séries de 12 Repetições




Abdominal – 4Séries de 16/16/12/10 Repetições





Terça Feira – Dorsal-Bíceps

Puxada atrás com Polia Alta
4 Série de 12/12/10/8 Repetições
Início.




Puxador Triângulo Frente
4 Série de 12/12/10/8 Repetições

Início.


Preparação passando o cinto na altura dos joelhos para prender e dar estabilidade para executar o movimento. 
Obs: Essa dica do cinto só funciona com deficientes que tem as juntas e musculatura travada, onde os membros fiquem cravados na posição que colocar.


Remada- 4 Série de 12/12/10/8 Repetições

Preparação : estabilizo as pernas na posição, passo o cinto em cima das rotulas para travar e firmar, para executar o movimento.

Início.


Final.


Puxada na Frente na Polia Alta  
4 Série de 12/12/10/8 Repetições


Peck Deck Invertido - 4 Séries de 12/12/10/8 Repetições


Quarta Feira.Ombro-Trapézio-Abdomen.

Ombro elevação alternado com Halter. 
Estabiliza os halteres acima dos ombros.
Elevação Halteres Unilateral.
4 Séries de 12 Repetições



Levantamento Frontal 4 Séries de 12 Repetições



Levantamento Lateral 4 Séries de 12 Repetições




Elevação estilo levantamento olímpico 
para fortalecimento.
4 Série de 16/12/10/8

Início


Meio - Parada no peito.


Finalização - Jogando a barra atrás.


Biceps Concentrado -4 Séries de 12/12/10/8 Repetições



Rosca Alternada - 4 Séries de 12/12/10/8




Agradeço mais uma vez a Atleta e Amiga Dádila Rodrigues por dar essa ajuda, passando sua vivência e evitando que outros passem pelas mesma dificuldades que ela passou por falta de informação.

Blog Força Total
Daniel Eduardo Barbosa


3 comentários:

  1. Arrasou Dádila! Bjos Marcelena

    ResponderExcluir
  2. Olá, sou Fisioterapeuta e trabalho em uma clínica especializada em recuperação de lesão medular.. Gostaria de saber se voce faz algum tipo de suplementação e que tipo.

    Se possível me adicione no facebook para que possamos trocar maiores informações.. http://www.facebook.com/thales.sala.7

    ResponderExcluir