14 de mai de 2012

Musculação para Todos - Participação Jaime Ocampo

Sei que sou suspeito em falar que a Musculação é um esporte que dá condições praticamente para todas as pessoas usufruirem de seus benefícios. Seja ela portadora de alguma deficiência física ou mental. E também pode ser praticado por todas as idades, aquela coisa que crianças não podem praticar é balela, lógico que não vamos pegar uma criança ou um idoso e socar peso neles. Estou falando, que tanto pessoas especiais, como crianças e idosos, podem praticar a musculação, mas com um acompanhamento profissional da área, um personal trainner.
Hoje em dia vemos principalmente nos EUA, cadeirantes praticando e até competindo no fisiculturismo, e com uma qualidade muscular de dar inveja à muita gente que não tem nenhuma limitação física. Não precisamos ir muito longe não, aqui mesmo no Brasil temos vários exemplos, não é a toa que nas Paraolimpíadas de 2011, o Brasil teve o melhor resultado de todos os tempos.
Temos até uma grande amiga no Halterofilismo Brasileiro, que vive surpreendendo a todos, ela é detentora de alguns Records Brasileiros, estou falando da Dádila Rodrigues, que é também cadeirante e descobriu na pior fase a musculação, que deu outro sentido para sua vida, depois que ela entrou para o Esporte, viu sua vida se transformar.



Quem não viu a Entrevista da Dádila Rodrigues no Blog Força Total!!! Olha o link aí: Clique AQUI
Isso acontece também com idosos, que acabam ficando meio que esquecidos em casa, a musculação faz a pessoa se sentir viva, superando limites, observando à cada dia mudanças, seja ela apenas uma disposição maior ao acordar ou a transformação de um corpo flácido e fraco.

Hoje eu trouxe um profissional, para falar sobre o assunto. Jaime Ocampo, que trabalha também com pessoas especiais.




Força Total - Jaime fale sobre seu trabalho, e que tipo de pessoas especiais você trabalha ou já teve o prazer de trabalhar?



Jaime Ocampo - Olá galera FORÇA TOTAL, primeiramente gostaria de agradecer o convite, sinto-me honrado em ser convidado para essa entrevista e aplaudo essa atitude em mostrar que as pessoas portadoras de “deficiência”, têm sonhos, objetivos e capacidades de ir muito além de onde a maioria das pessoas apenas sonha em chegar.
Meu nome é Jaime Ocampo, tenho 29 anos, sou professor de Educação Física pela instituição de ensino FEFISA, atleta de fisiculturismo e treinador de musculação para atletas e não atletas.
Meu primeiro contato com pessoas portadoras de “deficiência”, foi quando eu fazia um trabalho voluntário como educador físico em equoterapia no Parque da Água Branca em São Paulo, onde auxiliava as crianças a recuperarem sua força muscular, coordenação motora grossa, lateralidade, equilíbrio e auto-estima.  Certo dia, os pais de uma criança cadeirante portadora de paralisia cerebral, foram buscar seu filho, e ao entrarem no recinto com a cadeira de rodas, pedi para que parassem e levei o filho deles ao seu encontro de mãos dadas, dando alguns pequenos passos atrapalhados. Nesse momento, seus pais caíram ao chão em prantos, me agradecendo, dizendo que eu era anjo na vida deles, foi então que percebi o que eu realmente estava fazendo ali, não estava apenas trabalhando musculaturas, estava levando esperança de dias melhores para toda uma família.
Nessa época eu estava me preparando para o fisiculturismo, iria estrear dali 1 ano e me dei conta de como eu era pequeno diante daquilo, como eu deixava que coisas pequenas me tirassem o foco, o quanto a determinação daquela criança e esperança de seus pais poderiam me ajudar a me motivar, resolvi levar isso para dentro da sala de musculação, para mim e para meus alunos e atletas, mostrando que disciplina e determinação vem de dentro de você, não apenas de seu pensamento, mas sim, de sua alma, se você quer realmente uma coisa, com trabalho duro e perseverança você irá conquistar, foi nessa mesma época que li uma passagem de Lao Tsé, “Sem saber que era impossível, ele foi lá e fez”.
Muitos anos depois disso, apareceu em minha vida o aluno Daniel (rapaz da foto ao meu lado), portador da síndrome de Down, um rapaz de 22 anos, alegre, engraçado, carinhoso, que tinha todos os motivos da vida para se sentir um derrotado, mas estava ali, contente e realizando seu treino. Todos os leitores presentes aqui, freqüentadores de academia sabem do que estou falando, a academia é cheia de pessoas descompromissadas com o treino e dieta, estão ali apenas para socializar ou buscar milagres apenas para um verão. O Daniel era diferente, não aceitava ser atrapalhado durante o treino, ficava cerca de 2 minutos se olhando no espelho e se posicionando para ter certeza que estaria posicionado da forma correta como o ensinei e sempre me chamava para fiscalizar, vivia me perguntando quando eu iria passar séries mais pesadas, pois ele queria crescer e perguntava se eu achava que ele já estava pronto. Quando sua mãe não podia o levar para academia, ele ficava bravo e me ligava para avisar e pedir desculpas por faltar, realmente um exemplo para muitos! Até que um belo dia ele vira para mim e diz:
“Jaime, você e esse lugar (a musculação), são as melhores coisas do mundo e eu te amo”
Nessa hora eu cai em prantos e mais uma vez percebi o quanto eu era pequeno, pois em 2003 sofri um acidente de carro onde perdi meu fêmur, só não morri no acidente graças ao BODYBUILDING, pois toda a massa muscular protegeu meu órgãos e caixa toráxica suportando a pressão do impacto. Mesmo assim eu desisti do fisiculturismo, pois após 3 meses de internação e várias cirurgias, saí do hospital com 78kg, achando que nunca mais poderia competir por causa da minha prótese de fêmur.
Hoje, graças ao Daniel, voltei a treinar, para um dia subir aos palcos novamente, seja na categoria especial ou clássico, isso depende do meu quadríceps. Agradeço a todos os alunos portadores de “deficiência” que passaram por mim, pois além de ver os grandes resultados que a musculação trouxe para eles como : ganho da massa muscular, ganho de força, baixa de %bf, melhora na coordenação motora grossa e fina, ajudando com que eles criassem certa independência, eu também aprendi muito com eles, me ensinaram demais sobre fé, força de vontade e determinação.
Isso tudo eu levo comigo como bagagem e passo para meus alunos e atletas que às vezes querem desistir por causa do preconceito que o bodybuilding sofre, por motivos pessoais ou financeiros. Eu digo a todos que nada é motivo para você desistir de seus sonhos e estar nos palcos mostrando todo o resultado de seu trabalho árduo, pois sou apenas um treinador, tenho conhecimento técnico suficiente para levá-lo ao seu máximo, ao extremo, há um lugar onde seu volume e qualidade muscular são espetaculares, mas tem coisas que eu não posso ensinar, força de vontade, determinação e foco, isso vem de você, de dentro da sua alma, posso motivá-lo, mas só se motiva, o que já existe.
Agradeço mais uma vez o convite, e de poder contar um pouco minha história como treinador e atleta. Tenham certeza de que, quando eu estrear novamente nos palcos do fisiculturismo estarei pensando em tudo isso que escrevi para vocês, e dedicarei mais essa conquista ao meu aluno Daniel, que se Deus quiser estará lá me assistindo. Espero que essas humildes palavras tenham ajudado a mostrar o quanto pessoas portadoras de algum tipo de “deficiência”, não são realmente deficientes, muitas vezes são mais capazes do que nós ditos como “normais” por essa sociedade preconceituosa.








Musculação é como uma relação a dois, se você não se entregar de corpo e alma não conseguirá sentir o verdadeiro KIMOCHI (prazer)


Se você tem pessoas próximas à você, portadoras de alguma deficiência ou idosos e até crianças, incentive-a, apresente um outro mundo para ela, mostre que realmente a AMA e quer seu BEM.


MUSCULAÇÃO NÃO É DROGA PRATIQUE!!!...  

Blog Força Total
Daniel Eduardo Barbosa

3 comentários:

  1. Muito bom o texto meu amor, estou com você nessa batalha no bodybuilding.
    Damielle

    ResponderExcluir
  2. MUITO BOM DANIEL, PARABÉNS A VC PELA DIVULGAÇÃO E AI JAIME PELO GRANDE EXEMPLO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Sandra, temos que prestar atenção ao nosso redor, e ver que temos pessoas que estão precisando muitas vezes apenas de atenção...

      Excluir